Resiliência: doutora em psicanálise ensina como superar males da vida moderna através do controle mental

O mundo moderno trouxe a milhares de pessoas, principalmente às mulheres, o acúmulo de tarefas. Com elas, um terceiro turno de trabalho , atividades extras e a enfermidade da atualidade, o estresse, desencadeado pela pressão no trabalho, na vida pessoal, a falta de tempo para uma alimentação e, principalmente, a falta de resiliência.

Mas o que vem a ser resiliência? O que significa ter resiliência ou ser resiliente? Entender exatamente o significado desta palavra e de como ela pode agir positivamente na vida das pessoas é a proposta de Erika Stancolovich e da obra “Resiliência: vença o estresse e controle a pressão antes que eles dominem você” ( Editora Ser Mais/ Literare Books International0. Na publicação de 122 páginas, a doutora em psicanálise explica, através de exemplos reais, como a mente pode agir e transformar histórias de vida.

– Comecei a estudar sobre a resiliência por conta de um episódio muito difícil que passei. Tive eclampsia no meu segundo parto e fiquei em coma. Escutava e não conseguia reagir até que eu mesma determinei que eu sairia daquele estado. Sobrevivi e resolvi estudar sobre o tema e levar essa descoberta para que as pessoas entendam que as adversidades existem e superá-las é uma questão de força mental, diz Érika.

O livro é fruto de uma pesquisa de mais de 10 anos sobre o assunto e propõe ao leitor exercícios eficientes e eficazes para enfrentar as adversidades, ter clareza mental diante das dificuldades e ter sucesso pessoal e profissional.

– Ser resiliente nada mais é do que ser protagonista da sua própria vida. É a melhor solução para encarar os desafios do cotidiano e conseguir resultados extraordinários para seus propósitos. A motivação deve fazer parte da nossa vida em todos os momentos, das pequenas às grandes coisas. Todos nós temos problemas, preocupações e ansiedades, mas a resiliência nos ajudar a ter um olhar diferenciado sobre tudo isto, fazendo com que as nossas escolhas sejam assertivas, defende a doutora.

Segundo ela, as pessoas resilientes não apenas planejam, operam e tornam seus planos acessíveis e realizáveis dentro de um prazo estipulado por elas mesmas.

– O fatalismo e a vitimação passam longe dos resilientes porque preferimos tentar reverter situações indesejáveis com metas definidas do que queremos através do projeto de vida que temos. Há variáveis? Sim, muitas, mas não existem expressões do tipo “não consigo mudar de rumo” para uma pessoa que tem resiliência, diz a escritora.

Como se identificar:

Formada em Letras e Pedagogia, a doutora Érika Stancolovich dá importantes dicas no livro, que levam o leitor a  identificar-se ou tornar-se resiliente.

– Observar seu caminho, saber voltar para o plano de ação quando tiver dúvidas, rever metas e saber enxergar as mudanças como oportunidades são fundamentais neste processo, explica Érika.

O livro encontra-se à venda em todas as livrarias ao preço médio de R$19.

Sobre a autora:

 Érika mora em Taubaté, São Paulo e é CEO do Instituto Stancolovich. Além disto, é Oficial R/2 da Força Aérea Brasileira, doutora em Psicanálise, mestre em Educação e Psicanálise e graduada em Letras e Pedagogia. Em seu currículo destacam-se ainda, formações em Psicanálise Clínica, Executive Coach e Neurocoaching.

 É conferencista internacional e escritora, Diretora Pedagógica do Conselho Brasileiro de Psicanálise e Psicoterapias (CONBRAPSI), Presidente do Conselho das Mulheres Empresárias de Taubaté (C.M.E) e  coautora de outras cinco obras.  Também atua como consultora de carreira. Possui um e-book: Como treinar o cérebro para alcançar o intangível e vários projetos e artigos nas áreas Educacional, Saúde Mental e Empresarial.

 

Twitters