Saúde & Bem Estar

Cientistas Brasileiros desenvolvem código genético que pode impedir a Covid-19

Pesquisadores brasileiros desenvolveram ferramentas de biologia molecular e bioinformática baseadas em edição genética para tentar frear o coronavírus

Imagem: qimono
Pixabay License, grátis para uso comercial – atribuição não requerida

Por: Só Notícia Boa
Os cientistas das faculdades de Medicina e de Odontologia da Universidade de São Paulo – USP, campus Ribeirão Preto, criaram um sistema para simular mutações no gene que codifica uma proteína a qual o vírus da Sars-Cov-2, causador da covid-19, se liga para entrar nas células humanas. A ideia dos pesquisadores é desestabilizar a interação entre o vírus e as células para impedir a infecção. O projeto da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Fapesp, foi publicado na plataforma preprints.

“O sistema possibilita simular a inserção de mutações específicas na região do gene ACE2 que codifica a parte da proteína que adere ao vírus, sem prejudicar as funções fisiológicas da molécula”, diz à Agência Fapesp Geraldo Aleixo Passos, professor da FORP e da FMRP-USP e coordenador do projeto.

Uma das principais funções da proteína ACE2 é expressar o RNA mensageiro que orienta a produção da enzima conversora da angiotensina 2 – molécula essencial para o controle da pressão arterial.

“A edição gênica representa uma estratégia mais interessante para interferir na ACE2 porque permite modificar apenas a região da proteína que interage com o novo coronavírus, mantendo intacta a atividade biológica de conversão da angiotensina 2”, avalia o pesquisador.

Resultados promissores

Os resultados das análises de predição indicaram que essas mudanças (mutações pontuais) por edição gênica desestabilizaram a interação entre a alfa-hélice N-terminal da ACE2 e a proteína spike do Sars-CoV-2, sem interferir no centro ativo da proteína, mantido intacto. “Comprovamos em ensaios de bioinformática que a edição gênica é uma estratégia promissora para combater o novo coronavírus”, afirma Passos.

Os pesquisadores estão buscando agora se associar com grupos de virologia para a realização de ensaios in vitro.

Fonte: Só Notícia Boa