Em Junho tem Samba, Jongo e Choro no TRAPICHE GAMBOA

Crédito: Chris Vicente

Confira a PROGRAMAÇÃO completa dos Shows de JUNHO, no TRAPICHE GAMBOA

 

. QUINTAS de junho – 19h30 – RAZÕES AFRICANAS – couvert R$25 / lista amiga R$20

. SEXTA – 02/jun – 21h30 – SAMBA DA PRETA (com a trombonista Kátia Preta) – couvert R$30 / lista amiga R$25

. SÁBADO – 03/jun – 21h30 – GRUPO COISA BOA – couvert R$30 / lista amiga R$25

. SEXTA – 08/jun – 21h30 – ORQUESTRA LUNAR (com a cantora Andrea Dutra) – couvert R$30 / lista amiga R$25

. SÁBADO – 09/jun – 21h30 – GRUPO CIRANDA – couvert R$30 / lista amiga R$20 (até 22h) e R$25 (noite toda)

. SEXTA – 15/jun – 21h30 – COLETIVO SAMBA DE RUA – couvert R$30 / lista amiga R$25

. SÁBADO – 16/jun – 21h30 – SAMBA DE GAFIEIRA (com Alaan Monteiro) – couvert R$30 / lista amiga R$25

. SEXTA – 22/jun – 21h30 – NILZE CARVALHO – couvert R$30 / lista amiga R$25

. SÁBADO – 23/jun – 21h30 – OS SETE CANTOS – couvert R$30 / lista amiga R$25

. SEXTA – 29/jun – 21h30 – MARYZELIA – couvert R$30 / lista amiga R$25

. SÁBADO – 30/jun – não abriremos

 

– QUINTAS-FEIRAS de junho, às 19h30

Tradicional roda de jongo, samba, maracatu e ijexás do grupo “RAZÕES AFRICANAS”

Composto pelas cantoras Lazir Sinval, Deli Monteiro e Luiza Marmello (também integrantes do consagrado grupo “Jongo da Serrinha” ao lado da Tia Maria do Jongo), músicos de mão cheia (Anderson Vilmar, Marcelo Mattos e Leo Careca – percussão, Rafael do Cavaco e Fabio Pereira – harmonia) e tambores que já guardam história, o grupo Razões Africanas garante há alguns anos as já tradicionais e contagiantes noites de quinta do Trapiche.

Eles promovem uma roda com muito jongo, ijexás, samba, maracatu e canções em língua africana, realizando um resgate e valorização da nossa cultura. É um encontro de vozes, sons e energias que vibram em torno do legado da Mãe África à nossa terra, carregado de encantamento e umbigada!

Couvert: R$25 (lista amiga: R$20). Livre. A casa abre às 18h30.

 

– SEXTA-FEIRA, 08/junho, às 21h30

ORQUESTRA LUNAR – com a cantora Andrea Dutra

Em março, dentro da programação especial pelo “Dia das Mulheres”, a Orquestra Lunar fez a sua primeira apresentação no Trapiche Gamboa. Em maio, apresentou-se novamente e agora em junho faz uma nova edição pros fãs da boa música brasileira. É formada atualmente pelas instrumentistas

Sheila Zagury no teclado, Manuela Marinho no violão/cavaquinho, Luciana Requião no baixo, Georgia Câmara na bateria e Flávia Torga na percussão, Mônica Ávila no sax alto e flauta, Sueli Faria no sax barítono e flauta e Kátia Preta no trombone. Nos microfones dando o tom, a cantora Andrea Dutra. (a cantora Áurea Martins é integrante do grupo, porém não participa desta edição)

A Orquestra Lunar nasceu em 2005, num baile em comemoração ao “Dia Internacional da Mulher” no Clube dos Democráticos,(Lapa, Rio de Janeiro), sob encomenda do projeto “Semente da Música Brasileira”. Oito instrumentistas/arranjadoras e duas cantoras inauguraram um formato ainda raro nos palcos cariocas daquele momento: uma orquestra formada somente por mulheres. Nesses doze anos, a Lunar desenvolveu um repertório com linguagem que tem os pés na gafieira carioca e a cabeça no mundo, misturando o jazz com o black, a música nordestina com a bossa e, no casarão da Gamboa, também convida o público a ouvir os belos sambas tradicionais, em arranjos especiais.

Em sua trajetória, realizou muitos shows importantes em todo o circuito boêmio da Lapa, teatros e casas de show e em grandes eventos como “Viradão Cultural”, “Palco sobre rodas”, SESC e SESI Rio, “Festival do Vale do Café” e até em Luanda, com a cantora angolana Afrikkhanita. O CD “Orquestra Lunar” teve a participação especialíssima de Dona Ivone Lara, em sua composição inédita dedicada a Áurea Martins, a música “Divina Missão”, e foi indicado ao Prêmio Tim 2008, na categoria “Melhor Grupo de Música Popular Brasileira”. Depois de um breve recesso, a Lunar retomou em plena atividade e o Trapiche tem sido um dos locais desta nova trajetória.

Couvert artístico: R$30 (lista amiga: R$25). 18 anos. A casa abre às 19h30.

 

– SÁBADO, 09/junho, 21h30

Roda de samba do GRUPO CIRANDA

O GRUPO CIRANDA foi formado em meados de 2006 pelos músicos Alessandro Cardozo, Alexandre Nunes, Dinho, Leandro Saramago, Rodrigo Jesus e Rodrigo Reis. Aproveitando o grande entrosamento e experiência de muitos anos no meio musical, já tendo acompanhado vários artistas da Música Popular Brasileira, eles se uniram para apresentar um trabalho próprio e então foram batizados de Grupo Ciranda pelo nosso inesquecível compositor Luiz Carlos da Vila (com quem também já tocaram nos palcos).

Em suas rodas, interpreta sambas de Monarco, Paulinho da Viola, Candeia, Zeca Pagodinho, Zé Kéti, Mestre Marçal, de Wilson Moreira a Arlindo Cruz, entre tantos outros compositores e cantores que o grupo já acompanhou. Por exemplo, são instrumentistas muito conhecidos no Bar Carioca da Gema, no Trapiche Gamboa, no Mistura Carioca, no Bom Sujeito da Barra, no Teatro Municipal de Niterói, no Teatro Ziembinski, no Centro de Referência da Música Carioca e em outros eventos dos quais já participou… como o Prêmio Visa em SP, o Projeto Acorda Zumbi (na Praça XV) e festas da VIVO.

Muitos sambistas cariocas já sambaram muito com esses craques nas muitas rodas pela cidade. Nesta estreia no casarão da Gamboa, todos são convidados a fazerem desta mais uma grande e memorável roda de samba.

Couvert artístico: R$30 (lista amiga: R$25). 18 anos. A casa abre às 20h30.

 

– SEXTA-FEIRA, 15/junho, às 21h30

Roda de samba do COLETIVO SAMBA NA RUA

Informações em breve.

Couvert artístico: R$30 (lista amiga: R$25). 18 anos. A casa abre às 19h30.

– SÁBADO, 16/junho, 22h30

Samba de Gafieira com o instrumentista ALAAN MONTEIRO

Em abril passado o multi-instrumentista lançou no Trapiche Gamboa o projeto Samba de Gafieira, em que interpreta, junto a exímios músicos, as obras das carreiras de Jacob do Bandolim, Pixinguinha, João Nogueira, João Bosco, Tom Jobim, Baden Powell, Cartola e Noel Rosa, entre tantos outros. Em maio fez a segunda edição e agora em junho retorna ao casarão novamente em data única, sendo uma ótima opção para quem gosta de dançar em uma boa roda de samba e MPB.

Filho do compositor Wanderley Monteiro e da cantora Iracema Monteiro, intérpretes do bom e velho samba, Alaan  Monteiro com apenas 26 anos de idade aparece como uma nova promessa da música brasileira e já é admirado e reconhecido pelos músicos das boas rodas da cidade. Aos dez anos de idade teve os primeiros contatos com o cavaquinho. De lá pra cá, passou pelo violão e bandolim, e com esses instrumentos já acompanhou diversos artistas da nata do nosso samba, como Wilson Moreira, Monarco, Ataulfo Alves Jr., Dona Ivone Lara, Martinho da Vila e Diogo Nogueira.

Mesmo tendo como interesse principal o bandolim, Alaan Monteiro sempre cantou, inicialmente fazendo voz de coro nos shows. Aos poucos, foi ganhando gosto e se apresentando nas casas de samba do Rio de Janeiro e em outras diversas casas pelo Brasil. Em seu Samba de Gafieira, é quem canta este diversificado repertório.

Os músicos que lhe acompanham são: Alexandre Caldi e Anderson Ferraz (sopros), Gabriel de Aquino (guitarra), Marfa Kourakina (baixo), André Manhães e Bruno Gamba (percussão).

Couvert artístico: R$30 (lista amiga: R$25). 18 anos. A casa abre às 20h30.

 

– SEXTA-FEIRA, 22/junho, às 21h30

Roda de samba da cantora NILZE CARVALHO

Tida como uma das mais importantes artistas da atual geração de sambistas cariocas, a cantora, compositora e multi-instrumentista Nilze Carvalho, ex-integrante do grupo Sururu na Roda, realizou em julho, pela primeira vez, a sua roda de samba solo aqui no Rio, tendo sido o Trapiche Gamboa a casa escolhida. Após uma gratificante noite de estreia, ela vem repetindo o show uma vez por mês no casarão.

No repertório, clássicos das melhores rodas e também sambas autorais de Nilze, bem como da safra mais recente de compositores do gênero que ela também gravou em alguns CDs. Também é possível apreciar a aclamada virtuosidade da multi-instrumentista, com o seu cavaquinho em punho e um repertório de choros que ela sempre dedilha.

Nos últimos anos, Nilze participou do “DVD Samba Social Club” 2 e 4, do “DVD Gafieira”, de Zeca Pagodinho, gravou o samba “Acreditar” ao lado de D.Ivone Lara para o CD e DVD “Cidade do Samba”, e também gravou participação especial no CD “Palavras de Guerra” da cantora Olívia Hime. Fez diversos shows pelo Brasil, Costa Rica, Equador e Europa, dividiu o palco com o pianista e arranjador Cristóvão Bastos num show em homenagem a Ataulfo Alves, participou do “Prêmio da Música Brasileira” 2010 e lançou o último CD, “O que é meu”, pela gravadora Biscoito Fino.

Nilze também já cantou e tocou ao lado de grandes e inúmeros nomes da música popular brasileira e internacional, e o CD “Verde amarelo negro anil” (RobDigital) foi indicado ao “Grammy Latino” de 2015 na categoria “Melhor Álbum de Samba”, o CD “O que é meu” ganhou em duas categorias no “Prêmio da Música Brasileira” – Samba na Lapa, como “Melhor CD” e “Melhor cantora”. Além de cantora e instrumentista, a sambista é compositora e bacharel em música pela UNI-RIO e foi apresentadora do programa “Cena Musical”, pela TV Brasil.

Couvert artístico: R$30 (lista amiga: R$25). 18 anos. A casa abre às 19h30.

 

– SÁBADO, 23/junho, às 21h30

Roda de samba OS SETE CANTOS

Em setembro de 2017, o Trapiche Gamboa estreou o projeto Os Sete Cantos, juntando em uma só roda experientes bambas que tocam (percussão e harmonia) e também cantam em diversas rodas e formações no Rio de Janeiro e em Niterói. Todos são respeitados no meio, pelo conhecimento e reverência que cultuam ao samba nas formações e projetos diversos dos quais participam.

Desde então, uma vez por mês eles garantem uma roda como a dos antigos terreiros cariocas, com a percussão forte e o repertório marcado pelo melhor do “samba de raiz” e partido alto, convidando o público a entrar na roda, cantar alto, sambar e bater forte as palmas das mãos.

Mais informações sobre a formação desta edição em breve.

Couvert artístico: R$30 (lista amiga: R$25). 18 anos. A casa abre às 20h30.

 

– SEXTA-FEIRA, 29/junho, às 21h30

Roda de samba da cantora MARYZELIA

Reconhecida por sua firme e linda voz, samba no pé e gargalhada peculiar, a Cantora Maryzelia é uma autêntica baiana de Feira de Santana que cresceu mergulhada no universo musical do mais puro samba e MPB, reconhecendo como fonte musical de sua formação os repertórios de Tom Jobim e Vinicius de Moraes, Beth Carvalho, Clara Nunes, Elis Regina e D. Ivone Lara, por exemplo.

Ela canta e dança uma mistura do samba de roda baiano com a MPB na cadência inconfundível do samba que traz no sangue, abrindo um verdadeiro leque entre os sambas tradicionais e o samba do Recôncavo Baiano. Quem conhece Maryzelia não se esquece, encantado com o talento e o forte axé dessa nega contagiante.

Em apenas oito anos de carreira, ela também já cantou ao lado de Margareth Menezes, Daniela Mercury, Dudu Nobre, Toninho Geraes, Xangá, Raimundo Sodré e Mumuzinho, por exemplo. Desde 2015 radicada no Rio de Janeiro, integra os grupos “Celeiro Samba Clube” e “Criolice” e participa de  diversos projetos e rodas nas casas de samba tradicionais do Rio e também de Niterói, sempre se destacando com seu talento e irreverência marcantes. Na ponte Rio-Niterói, já cantou com Pretinho da Serrinha, Arlindinho, Toninho Geraes, Moyseis Marques e Leandro Fregonesi, entre vários outros bambas da atual cena fluminense.

Couvert artístico: R$30 (lista amiga: R$25). 18 anos. A casa abre às 19h30.

PROMOÇÕES:

*Aniversariantes da semana com ID (+ um convidado) não pagam.

*Até 00h, na compra de cinco cervejas, a sexta é de graça.

 

Sobre a casa “Trapiche Gamboa”:

Situado no berço do samba, na Gamboa, entre a Pedra do Sal, a Ladeira do Valongo e o Largo da Prainha, entre o centro da cidade e o bairro da Saúde, o Trapiche Gamboa é um grande sobrado do século XIX (1857) e foi inaugurado como casa de shows em 2004. Ele se tornou um refúgio para o samba de roda (a mais autêntica forma de música brasileira) e consagrou-se como uma das maiores, mais bonitas e aprazíveis casas (de samba) da cidade. Importantes sambistas já passaram por lá e exímios músicos da nova safra do samba do Rio de Janeiro frequentemente realizam as magistrais rodas da casa.

A arquitetura de 1857 e com pé direito de 13 metros está conservada com piso original e parede de pedra revestida com óleo de baleia. Antes de abrigar a casa de samba, o sobrado era uma oficina mecânica.

Quem é do samba ou quer conhecê-lo melhor e mais de perto, seja carioca ou turista, deve visitar o Trapiche Gamboa, endereço de uma boa combinação de petiscos e de roda de samba como a dos antigos terreiros. No segundo andar, há ainda um mezanino onde é possível bater um papo com menos barulho. Já no terceiro andar, uma varanda oferece ar fresco com um barzinho à disposição. É bem aconchegante e convidativo.

Classificação da casa: durante a semana: livre | sextas e sábados: 18 anos.
Abertura da casa: quartas e quintas: 18h30 | sextas: 19h30 | sábados: 20h30.
Horários dos shows: quartas e quintas: 19h30 | sextas e sábados: 21h30.
Aceita cartões de crédito e débito.
Faz reservas de mesas (tels.: 2516 0868).
Capacidade: 250 pessoas.

Rua Sacadura Cabral, 155 – Gamboa (próximo à Praça Mauá, entre a Pça. Mauá e o Hospital dos Servidores)

Tels.: 2516-0868 / 2233 9276

www.trapichegamboa.com

Facebook: https://www.facebook.com/trapichegamboa?fref=ts

Instagram: http://instagram.com/trapichegamboarj/

Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCV0bChwM5Ba9L_SIblPxbVQ

Assessoria de imprensa:

Sylvia Dietrich

Jornalista | Assessora de imprensa

Sylviad.assessoria@gmail.com | (21) 9 8396 1577

Twitters

    Please check your internet connection.