fbpx
sem categoria

Gero Camilo canta Belchior na CAIXA Cultural RJ

Show estreia na cidade e repertório faz releitura do disco Alucinação

 A CAIXA Cultural Rio de Janeiro recebe o show Gero Camilo canta Belchior, em duas noites de apresentações, nos dias 7 e 8 de abril (sábado e domingo), às 19h, pela primeira vez no Rio ​de Janeiro. No palco, o artista cearense interpreta o disco Alucinação (1976) na íntegra e outras músicas memoráveis lançadas por Belchior (1946-2017). O evento tem patrocínio da Caixa Econômica Federal e Governo Federal.

 Conhecido nacionalmente pelo grande público como ator, principalmente no cinema, Gero também é cantor, compositor, poeta e dramaturgo. “Sempre fui fã da obra de Belchior. Quando era adolescente via shows dele em Fortaleza e ficava fascinado. Seus vinis tomavam conta da sala de minha casa. Aprendi com ele que podia ser roqueiro sem perder a verve do canto nordestino. Moderno e cru.” conta Gero, admirador declarado do músico conterrâneo.

 Neste show, Gero e a banda batizada por ele de Caroço da Aurora percorrem o disco Alucinação e outros clássicos de Belchior, como Comentário a respeito de John, Paralelas, Coração Selvagem e Brasileiramente Linda. As composições vêm com novos arranjos para uma releitura que busca resgatar e celebrar o primor da musicalidade poética de Belchior e sua importância na música brasileira.

 Belchior foi um artista enigmático. Em quase 40 anos de carreira e com uma produção de mais de 20 discos, revelou sentimentos e reflexões que embalaram gerações e ainda representam pensamentos contemporâneos sobre política e sociedade.

 Gero Camilo convida o público para a homenagem deste mergulho na poética visceral e revolucionária desse grande artista brasileiro.

 

 SERVIÇO

SHOW Gero Camilo canta Belchior

Datas: 7 e 8 de abril de 2018 (sábado e domingo)

Horário: ​19h

Local: CAIXA Cultural Rio de Janeiro – Teatro de Arena

Endereço: Av. Almirante Barroso, 25 ­ Centro (Metrô e VLT: Estação Carioca)

Telefone: (21) 3980-3815

Duração: 80 minutos

Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). Além dos casos previstos em lei, clientes CAIXA pagam meia.

Lotação:  226 lugares (Mais 4 para cadeirantes)

Bilheteria: de terça-feira a domingo, das 13h às 20h. (As vendas de ingressos iniciam na terça-feira, dia 3, na bilheteria da CAIXA Cultural).

Classificação Indicativa:​ livre

Acesso para pessoas com deficiência

 

Ficha técnica:

Voz: Gero Camilo

Sax e Flautas: Simone Julian

Bateria: Gustavo Souza

Guitarras: Rovilson Pascoal

Contra-baixo: André Bedurê

Teclado: Marcelo Castilha

Iluminação: João Nunez

Técnico de som: Bruno dos Reis

Roadie: Magrão

Artes gráficas: Carol Shimeji

Produção: Cinthia Albuquerque

Produção local:  Rodrigo Mendes

Produção executiva e geral: Flávia Corrêa

Patrocínio: CAIXA e Governo Federal

 

Facebook: https://www.facebook.com/artistagerocamilo

Instagram: https://www.instagram.com/gerocamilo

 

 

Sobre Gero Camilo

Cursou a Escola de Arte Dramática EAD – ECA, na USP, e alterna sua carreira com trabalhos no cinema, teatro, televisão, literatura e música. Nesta última atua desde 2007, com o lançamento do seu primeiro disco Canções de Invento. Gero é ator, poeta, dramaturgo, cantor e compositor.

 A ampla trajetória no cinema começou ainda na EAD, com participações nos filmes Cronicamente Inviável e Domésticas. Foi em Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky, que Gero Camilo se tornou conhecido do grande público. Hoje, acumula atuações em diversos filmes, como a produção hollywoodiana Chamas da Vingança, de Tony Scoth (filmado no México); Cidade de Deus, de Fernando Meirelles; Madame Satã, de Karim Aïnouz; Carandiru, de Hector Babenco; e Abril Despedaçado de Walter Salles.

 Em 2004, encenou a peça Aldeotas, dirigida por Cristiane Paoli Quito e com texto de autoria própria. Sucesso de público e crítica, a montagem segue em cartaz até hoje e vai virar filme em 2019. Sua publicação literária independente A Macaúba da Terra ganhou, em 2003, pela Companhia São Jorge de Variedades, a montagem As Bastianas, sendo relançada em 2013 após 10 anos de publicação. Em 2006, escreveu Cleide Eló e as Peras, extraído da mesma publicação e que recebeu a direção de Gustavo Machado.

 Gero é reconhecido também pelos vários prêmios que recebeu ao longo da carreira, como o Troféu Redentor de Melhor Ator Coadjuvante, no Festival do Rio, por Hotel Atlântico(2009); o Grande Prêmio Cinema Brasil como Melhor Ator Coadjuvante, no Festival de Recife por Narradores de Javé (2003 e 2004); o Troféu Candango, no Festival de Brasília; e no Festival de Recife, como Melhor Ator Coadjuvante por Bicho de Sete Cabeças (2001).

 

Clip da Semana